Adeus Henrique: mais uma decisão inteligente da gestão Nobre?

Salve amigos palmeirenses e todos que gostam de ver a bola rolando!

Como muitos já sabem, o Palmeiras fechou a venda do zagueiro Henrique ao Napoli da Itália pelo valor de 4 milhões de Euros, equivalente a um pouco mais de R$ 13 milhões. Agora levanto a seguinte questão: a diretoria acertou em vender o zagueiro às vésperas da copa, em ano de centenário do clube e ainda montando um time forte? Quando veio a notícia em primeira instância, afirmando que Henrique poderia deixar o Palmeiras, confesso que meu pensamento declarou a seguinte frase: “justo agora que o time está encaixadinho?” Pois bem, em primeira mão fiquei desconfiado porque a diretoria do Palmeiras já havia feito uma negociação até hoje muito estranha de Hernán Barcos ao Grêmio e até hoje eu não entendi, tanto que dos cinco jogadores que os gaúchos cederam com a transação, apenas um ficou porque fez uma grande temporada no Verdão, que é o atacante Leandro. Os outros quatro, na minha opinião, não dá um Barcos, pois sabemos o quanto esse centroavante argentino tem de qualidade, descoberto por Felipão e ridicularizado pelo Sr. Frizzo que não deixou saudade alguma.

Henrique de Malas Prontas

Fonte: netflut..com.br

Por mais que seja estranha a venda do argentino ao Grêmio, esse contestado assunto foi ofuscado pelo centroavante que tivemos no meio do ano chamado Alan Kardec. Ele está cumprindo seu papel e é um grande centroavante que qualquer clube brasileiro o teria como titular e Leandro também surpreendeu a muitos de nós, ou seja, parabéns Brunoro e Nobre, hoje estamos bem mais servido do que antes quando Barcos se virava sozinho para fazer gol porque Luan, Maikon Leite, Ricardo Bueno (de bueno não tem nada)… PELA MADRUGADA!

De Barcos para Henrique, o grande xerife palmeirense não saiu exatamente da porta da frente pois uma fonte muito segura me deu conhecimento de que Henrique, assim como Barcos (muitos sabem o que ele disse e o que fez para sair do clube), aborreceu demais a diretoria por atitudes infelizes, deixando de cumprir um trato que havia feito. Poderia ser do Corinthians, do São Paulo, do Santos, de qualquer outro clube eu teria dito a mesma coisa. A pior gestão palmeirense da história comandada pelo Sr. Arnaldo Tirone Filho deixou uma dívida alta com o zagueiro. Quando chegou Paulo Nobre, o Palmeiras fez um trato com o Henrique de não levar isso à justiça pois o clube pagaria tal dívida, de forma  gradativa, tanto que uma parte já havia sido sanada e restavam uns R$ 2 milhões e o jogador havia aceitado isso. O zagueiro, pelas costas, acionou o clube na justiça e isso deixou Paulo Nobre possesso com tal atitude.

Além disso, soube que o zagueiro agora napolitano foi totalmente contra a vinda do zagueiro pentacampeão Lúcio e muitos jogadores não o consideravam um verdadeiro líder em campo. Por último, o Palmeiras na mão de Paulo Nobre está focado em ter suas finanças em dia e viu essa proposta do Napoli como viável no momento. Tudo isso me fez tirar a seguinte conclusão: parece que mais uma vez a diretoria está acertando porque foram essas três razões que fez com que a venda do jogador acontecesse e opino que foi corretíssima a decisão, pois e se ele não fizer uma grande temporada e desvalorizar? Sua folha salarial é pesada, como fica? E se gerasse desavenças com o zagueiro Lúcio ou com outros do elenco e colocar o centenário de um clube tão cheio de glórias e de uma história bonita na lama por causa de um jogador que com certeza nem este e nenhum outro é maior que a Sociedade Esportiva Palmeiras? Tenho certeza de que cartas na manga os Senhores Nobre e Brunoro têm, porque desde que assumiram o Palmeiras só fui surpreendido com boas notícias. Vá em paz Henrique, sucesso no clube italiano.

Com tudo isso, mais uma vez, há provas de que o Nobre Presidente equilibra muito bem o seu lado racional com o seu lado passional, parabéns! Esse é o caminho certo! Pensar no Palmeiras, no Palmeiras e no Palmeiras! Nada mais!

Paulo Nobre, presidente do Palmeiras

Fonte:fanfulla.com.br