Ao Nosso Futebol Eis a Pergunta: Que Fim Levou?

Sempre fui fã de assistir os campeonatos europeus quando criança e adolescente. Pra mim eram os campeonatos onde havia os melhores jogadores do mundo e o nível de competitividade e de técnica eram acima da média. Porém com o tempo comecei a me interessar mais pelo futebol nacional e pelos campeonatos que aqui aconteciam. Na verdade comecei a pensar quão mais difícil era o futebol daqui e como surgiam tantos jogadores talentosos em número muito maior que lá fora.

Grandes times foram montados no Brasil durante os anos 90 e até início dos anos 2000. Quem não se encanta ou rever o São Paulo de Telê Santana? Ou ver o ataque de 100 gols do Palmeiras de 96 recheado de craques? Podemos lembrar do Corinthians de 99-2000 com vários excelentes jogadores e não podemos de forma alguma esquecer do Vasco de 98 campeão da Libertadores cujo Juninho Pernambucano fez parte e há pouco se aposentou. E mais recente que esses podemos lembrar também da geração de meninos da vila que tirou o Santos da fila em 2002 com Diego e Robinho. Enfim, daria para lembrar de muitos esquadrões que desfilaram em campos nacionais e até alguns que não deram tão certo como prometia que foi o caso do Flamengo de Edmundo, Romário e Sávio.

Nessas épocas de tantos excelentes jogadores criou-se que o campeonato brasileiro já começava com 12 favoritos (os 4 grandes do Rio, 4 grande de SP, 2 de BH e mais 2 do Sul). Claro que nem sempre vimos esses 12 ocupando exatamente as 12 primeiras colocações e sempre aparecia algumas surpresas, porém de início já era esperado que pelo menos 70% desses times brigassem para ser campeões.

Anos se passaram e qual a diferença que temos pra hoje? O brasileirão é o mais disputado com 12 times já favoritos? NÃO! Nem perto disto. Afinal na última edição vimos Vasco e Fluminense serem rebaixados e o Palmeiras subindo da Série B. Na verdade há muitas ligas bem mais competitivas e mais niveladas tecnicamente do que o nosso brasileiro.

Quero chegar na questão que a realidade do nosso futebol é bem diferente do que anos atrás e que o resultado final é como caiu tanto o ótimo nível que havia antes aqui. Uma pequena prova disto é que ao contrário da rota de todo jogador antigamente querer sair daqui e ir para algum grande centro europeu hoje vemos isso se inverter com jogadores que lá já não conseguem mais serem aproveitados. É natural que todo jogador queira voltar ao Brasil pra encerrar a carreira, contudo o número de veteranos caros que já não são mais aqueles craques do tempo europeu aumentou muito. Como já citado até ano passado Juninho Pernambucano era fundamental ao Vasco e já estava longe de ser aquele jogador do Lyon, mas mesmo assim ainda quebrava o galho. O que isto mostra então? Quão carente estamos de bons jogadores e desesperados para passar a imagem de alguém que já em fim de carreira pode ainda ser um grande astro. Daí pensamos: “será que no Grêmio, por exemplo, nenhum garoto joga mais que o Zé Roberto de 38 anos?” E com tristeza a resposta é não. Não desmerecendo a linda carreira do Zé e de outros, mas é que não conseguimos mais repor no mesmo nível jogadores assim. Pelo contrário, vale mais a pena você colocar algum deles já sem o mesmo físico alguns jogos do que lançar alguém novo, pois a novidade não consegue produzir o que os velhos conhecidos produzem jogando um jogo sim e outro não.

É muito nítido como aqueles tempos já são passados em que craques surgiam a rodo. Não importava se saiam rápido para a Europa, pois havia algum menino já para estourar e não deixar saudades do que partiu.

Então não há mais talentos no Brasil? É claro que há talentos aqui! Só precisam dar oportunidades e acreditar neles. É preciso cuidar deles para que o início de uma carreira não suba a cabeça e destrua mais uma jóia. É preciso dar espaço pra quem tem bola e não pra quem tem empresário. Assim talvez poderemos ver um brasileirão mais bonita e técnico do que hoje. Assim que sabe teremos até 15 ou mais times em um nível alto e competitivo, afinal estamos no país onde sempre pode aparecer um Denilsinho, Neymarzinho, Denerzinho, Ronaldinhos, Rivaldinhos e tantos outros.