Mudança de Ares Entre Rivais

Uma bomba caiu no futebol paulista esta tarde.
Todos já sabiam que não havia clima para que o Alexandre Pato continuasse a jogar no Corinthians mesmo com todo o dinheiro investido para a sua vinda.

Além das atuações que deixaram muito a desejar em relação ao Pato que muitos se lembram dos jogos do Internacional antes de ir pra Europa e para os que acompanham o futebol europeu de alguns, não todos, bons jogos que ele teve no Rossoneri milanês a torcida perdeu a paciência com a falta de vontade demonstrada durante os jogos, a falta de identificação com o clube durante os contatos com a imprensa e do dinheiro que todos sabíamos que o Corinthians gastava com ele todo o mês o que culminou um triste episódio na história do clube com marginais travestidos de torcedores invadindo o centro de treinamentos e caçar os jogadores com muito ódio em suas atitudes. Não havia uma possibilidade de um convívio ou ambiente saudável para que ele pudesse desenvolver o futebol que todos nós já vimos ele jogar, o que fazer então? Recorrer a história.

Em 1984 o Corinthians tinha um grande jogador chamado Walter Casagrande em crise e desagradando o técnico Jorge Vieira o que ocasionou a necessidade que ele saísse para que pudesse se reerguer no futebol. O seu clube formador queria ganhar algum dinheiro com a sua transferência mas, com a má fase apresentada não seria bom nem para o Corinthians nem para o jogador. Então surgiu a oportunidade de um empréstimo para um grande rival, o São Paulo que mesmo já com o grande Careca no elenco para a posição fez o negócio e colocou Casão para jogar mais para a direita. O resultado foi, gratidão de Casagrande ao Tricolor por tê-lo acolhido em um momento difícil e por parte do São Paulo foi uma bela dupla de sucesso no elenco, Careca e Casão, que renderam um bom ano ao time.

Eu acredito na história e creio que o Alexandre Pato possa ter sucesso usando o Manto Sagrado do meu Tricolor Paulista e que a diretoria do São Paulo por mais maluca que esteja nos últimos tempos não iria errar tão grande. Acho que quem mais ganha com a saída do Jádson do elenco é o Cañete, meia que eu acredito que terá mais chances sendo agora o substituto direto caso algo aconteça com o Ganso.

Piadas a parte Ganso e Pato no mesmo time a um tempo atrás só imáginávamos isto vestindo a camisa com o escudo da CBF no peito.

Da parte do Jádson: sempre o chamei de mentira pois aprendi desde criança que mentira tem perna curta. As vezes pega por um tempo mas quando começam a apertar a verdade acaba vindo a tona. Ele é um bom jogador que foi apertado com a presença de um jogador diferenciado disputando a posição com ele e não conseguiu se sobressair e muito menos se adaptar para poder jogar ao lado deste diferenciado que hoje enverga a camisa 8 do Soberano. Acredito que pro Corinthians ele chega pra ser titular e usar a 10 e tenho certeza que vai dar felicidade para a Nação Corinthiana, só peço que não esperem um jogador diferenciado que irá resolver todos os problemas qu o elenco hoje enfrenta mas, é o que tem pra hoje. Talvez foi a melhor solução para a equipe, tendo em vista que a janela européia já fechou e o dinheiro investido no garoto de Pato Branco não seria recuperado nem metade neste momento. Quem sabe o que pode acontecer com o Pato jogando no Morumbi sem o risco de ser atacado enquanto treina.

Uma coisa eu dou certeza: Quem mais vai torcer pelo sucesso do Pato no São Paulo é a diretoria Corinthiana.