Quem se deu pior?

Minha intenção não é publicar uma notícia que hoje já é velha. Aliás, não creio que esta seja a intenção do Grama Baixa. Nascemos com o intuito de discutir futebol, de gravar o que fazemos diariamente em mesas sagradas de almoço, e que não ficava registrado.

Com isto em mente, pergunto a todos: quem se deu pior com esta troca entre São Paulo e Corinthians?

Há vários aspectos que tem que ser considerados para responder esta pergunta. São eles:

– O Corinthians pagou R$ 40 milhões em um jogador, e o repassa de graça ao seu maior rival na atualidade e ainda paga 50% do salário.
– O Pato não deu o retorno esperado ao Corinthians, tanto em títulos, quando em gols. Já houve uma perda muito grande: saiu dinheiro e não entrou título e nem gols esperados aos montes.
– O São Paulo pagou pouco mais de R$ 8 milhões no Jádson, e também o repassa de graça.
– O Jadson também não deu o retorno esperado. Não se impôs como o meia armador que todos queriam, pelo contrário, se escondeu em campo ainda mais depois da contratação do PH Ganso.

No futebol tudo pode acontecer. Tudo acontece. Nem sempre. De vez em quando. Então, ainda há esperança.

Os são-paulinos esperam que o Pato seja aquilo que não foi para o Corinthians. Que faça os gols que deixou de fazer no rival. Os corinthianos esperam ter finalmente encontrado em Jádson o armador que o São Paulo não encontrou.

No fundo, penso que o Corinthians fez pior negócio. Gastou um montante de dinheiro em um jogador que não marcou o montante de gols e não deu os títulos que se esperava, o repassa de graça ao rival pagando 50% de seu salário, recebe um armador também em baixa, cujo contrato se encerraria ao final de 2014. Ou seja, se o Corinthians queria mesmo o Jádson, poderia ter esperado até junho para assinar de graça com ele.

O São Paulo troca seis por meia dúzia. Se o Pato não der certo, tudo bem. O Jádson também não estava dando.

Verdão 100% Desta Vez Não Convence

Tudo bem que havia uma ressaca natural após um clássico tenso e que significou o fim de um jejum importante. Mas o Palmeiras ficou devendo. Não fosse o Fernando Prass, a invencibilidade no ano do centenário teria sido perdida. De destaques, somente a manutenção de uma campanha perfeita e o golaço do França. O Palmeiras vai precisar de muito mais para vencer o Audax e o Corinthians, no clássico do dia 16.

Saudações alviverdes!